Como distinguir os vários tipos de Açúcar

Como distinguir os vários tipos de Açúcar
Como distinguir os vários tipos de açúcar.

Hoje, vamos abordar o assunto mais falado de 2019. O tema de hoje é relativo ao consumo de açúcar e à forma mais fácil e básica de o detectar, mesmo quando este se encontra disfarçado com outros nomes que, ao senso comum e a olho nu, passam despercebidos. O açúcar pertence aos hidratos de carbono e, como tudo, existem hidratos de carbono bons e maus. E também existem diversos tipos de açúcares.

É verdade que, actualmente, já existe uma maior consciencialização para a questão do consumo dos açúcares. No entanto, ainda associamos o dito “açúcar” apenas ao açúcar que adicionamos, por exemplo, ao café ou ao chá. Quando, na verdade, existe uma forte presença do mesmo noutros alimentos que ingerimos ao longo do dia.

Ao consumirmos açúcar, é libertado um neurotransmissor do nosso cérebro, chamado de dopamina, que é o responsável pela sensação de bem-estar e, também, de prazer. Neste sentido, o nosso organismo, para procurar esse estímulo, pede por alimentos que tragam essa satisfação. É possível dizer que o efeito que o açúcar tem no nosso cérebro e no nosso organismo é muito semelhante ao efeito que as drogas produzem, bem como o vício que advém do consumo das mesmas.

O açúcar também cria dependência, a tão conhecida “fúria do açúcar”. O nosso corpo pede pelo doce por uma questão de vício. E, nos dias de hoje, numa sociedade marcada pela falta de tempo, é mais fácil oferecer um produto processado ou ultra processado, do que uma opção mais “saudável”.

Neste contexto, importa realçar a leitura dos rótulos dos alimentos, em particular, a leitura da lista dos ingredientes que compõem um alimento, de forma a fazer escolhas alimentares mais saudáveis. A forma como olhamos para um rótulo, não ligar apenas à tabela nutricional, mas também aos já referidos ingredientes desse produto, permite-nos fazer melhores escolhas quando olhamos para um rótulo. Para além disso, conseguir optar entre dois alimentos idênticos, mas de forma mais saudável.

É obrigatório, num rótulo, estar presente o nome do alimento; os ingredientes e a tabela de valores nutricionais (na maioria dos casos). A verdade é que temos tendência a olhar para as calorias desse produto, sem prestar atenção à lista de ingredientes, ignorando assim a sua qualidade nutricional. Nesta lista vem, em primeiro lugar, o alimento presente em maior quantidade,e assim sucessivamente, até se chegar ao último ingrediente, o que se encontra presente em menor quantidade.

Quanto maior for a lista de ingredientes, pior é o alimento em questão, obviamente, consoante o alimento em causa. Os alimentos ultra processados têm, de forma geral, uma lista de ingredientes enorme. Muitos desses ingredientes aparecem com nomes que não conhecemos, como é o caso do açúcar. Não é por conhecermos o nome de um ingrediente que o podemos considerar mais saudável.

A grande maioria dos alimentos que compramos em supermercados têm açúcar adicionado, para além daquele que é natural e faz parte dos ingredientes que são inerentes. Por isso mesmo, é importante saber ler um rótulo de forma a decifrar quando um alimento tem açúcar adicionado, mas está disfarçado com outros nomes.

Açúcar.

Temos aqui algumas curiosidades:

  • Os disfarces do açúcar: açúcar de cana, de coco, de beterraba; frutose; sacarose; glucose; lactose; dextrose; maltodextrina; xarope de milho (no fundo tudo aquilo que nos ingredientes disser xarope de qualquer coisa);
  • O sal também tem outras camuflagens, tais como: cloreto de sódio; bicarbonato de sódio; hidróxido de sódio; entre outros;
  • Aditivos (corantes, antioxidantes, estabilizantes entre outros) conhecidos como: os “E” (E 250; E 621; E 450, etc).

Outro factor importante são as alegações nutricionais e de saúde, onde muitos de nós caímos facilmente por vermos certas expressões como: light, magro, baixo teor de açúcar, baixo teor de gordura, rico em fibra, sem açúcar, natural. Regra geral são essas alegações que, na teoria, tornam um alimento saudável. O que é totalmente mentira.

Por exemplo: um iogurte líquido que na sua embalagem diz sem açúcares, não é verídico. Pode conter menos açúcar que um iogurte líquido habitual, mas se virmos a lista de ingredientes, o açúcar está lá presente, mas com outro nome.

O consumo de açúcar, bem como a adição do mesmo a certos alimentos, como o café, o chá, o leite, entre outros também tem grande peso na quantidade de açúcar que consumimos diariamente. Deixar de adicionar açúcar, pelo menos a estas bebidas, trata-se de uma questão de hábito, pode custar numa fase inicial, mas facilmente nos desabituamos.

Se gosta da temática de saúde, espreite o nosso artigo sobre alimentos que envelhecem a pele e os benefícios da Meditação. 

Experimente e tenha atenção, vai ver que está a fazer o melhor por si e pela sua saúde!

 

Marta de Campos Torres

Partilhe este artigo:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on twitter
Share on email